sexta-feira, novembro 23, 2012

Além


Tudo aqui é pequeno demais e mesquinho demais para o que desejo. Tudo é limitado perto do que quero. Quero mais! Mais sútil, mais delicado, mais gentil. Quero ir mais longe do que é permitido e ter razões mais bonitas do que simplesmente viver. E quero voar, saltar, pular, sem amarras, sem pressa, sem limites!

Quero, quero, quero, mais, muito mais do que ter tudo como tenho agora. E apesar de soar ingrato, anseio por mais sim, desejo ser mais livre, mais leve, mais doce, mais eu e menos o que esperam de mim. Quero ser mais do que espero de mim mesma.

Tudo aqui é pequeno demais para o tamanho das vontades e dos quereres. Tudo é pequeno, muito pequeno perto desse sentimento que não tem nome, cor, cheiro nem hora para incomodar. Esse sentimento que explode do peito querendo sair desse corpo minúsculo, dessa cabeça fechada e cerceada de regras e conceitos, pré-conceitos.

É tudo limitado demais. Cansativo, angustiante e sufocante demais. E ao mesmo tempo é tão desafiador. Como é difícil libertar-se das amarras em busca da autenticidade, especialmente quando o mundo exige jogo de cintura e parcimônia, uma economia hipócrita dos próprios sentimentos em função de como agem todos, calejados atrás de um escudo.

segunda-feira, junho 04, 2012

Caça-palavras


Tem sido difícil encontrar palavras que falem por mim. Os sentimentos transbordam por todos os lados. Os pensamentos saem descontrolados como nunca e invadem os espaços do meu dia. São planos, desejos, desencantos e expectativas.

Os erros ensinam como a uma criança que aprende, caindo, a caminhar. As alegrias acalmam e dão força como um abraço de mãe no meio do pesadelo. E assim a vida segue. O tempo passa (voando) e engole os nossos segundos. E é preciso correr para não deixar-se ir ralo abaixo.

E assim é crescer, esta tarefa árdua que dá razão à existência. E os questinamentos surgem, um sol entre nuvens. As dúvidas incomodam, desacomodam. Afinal, são as perguntas que movem e não as respostas. São as minhas inquietudes - mesmo angustiantes - que resultam em futuro. No fim das contas, foi assim que o ontem virou agora. E lá o céu também não estava claro.

Lagoa dos Patos - Rio Grande/RS - by Fabih Caldas


"A vontade é impotente perante o que está para trás dela. Não poder destruir o tempo, nem a avidez transbordante do tempo, é a angústia mais solitária da vontade".
Friedrich Nietzsche


LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin